top of page

Free Guy: Assumindo o Controle – Comédia, ação, emoção e games

Saudações queridos nerds!

Me diz, você já imaginou o que os NPCs de um jogo estão “pensando”? Então prepare-se para ver o mundo dos jogos com uma outra perspectiva acompanhando a história de Guy!

Tivemos a oportunidade de conferir o filme em primeira mão nessa terça-feira (10) e devo dizer que o diretor Shawn Levy soube conduzir a história de uma forma balanceada e com transições feitas no momento certo.

O filme possui três momentos: o jogo Free City, a empresa responsável pelo jogo e os jogadores na vida real. E esses três momentos acontecem de maneira fluida durante o filme, prendendo a sua atenção até o desfecho da história.

O diretor Shawn Levi também dirigiu a trilogia de Uma Noite no Museu, Stranger Things, Doze É Demais, O Grande Mentiroso e muitas outras obras de gêneros diversos, indo da comédia ao drama.

A História

O filme conta a história de Guy (Ryan Reynolds), um funcionário do Banco de Free City que tem a mesma rotina todos os dias. Free City é uma cidade dominada pelas pessoas de óculos escuros, que são violentos, podem fazer o que quiser e são considerados heróis.

Um dia Guy descobre que é um personagem de um jogo e que as pessoas de óculos são os jogadores e Guy não passa de um simples NPC. O que acaba transformando a sua vida e modificando sua rotina.

Essa mudança traz um caos no mundo real, pois ele acaba interagindo com jogadores e todos começam a se perguntar na internet quem é o jogador que está fazendo boas ações em um jogo estilo GTA e está subindo de level tão rápido?

A história foi escrita por Matt Lieberman, que também escreveu A Família Addams (2019), SCOOBY! O Filme (2020), entre outras produções.

Efeitos Especiais

Nesse filme o CGI é gritante, mas é super condizente com a história, afinal estamos imersos dentro de um jogo. Mas, como dito anteriormente, quando o filme se passa no mundo real, não há uso de CGI e muito menos cenas exageradas. Cenas surreais são exclusivas dos momentos dentro do jogo.

Outra transição super bem feita é mostrar como o jogador está vendo aquela cena em seu computador. Como Guy e outros personagens realmente aparecem para eles. E essa passagem do real para o lúdico acontece várias vezes e sempre da maneira correta. O que torna as cenas fluídas e muito divertidas.

Principalmente quando os jogadores fazem o uso de skins (que são roupas diferenciadas), o que completa a comédia do filme sem parecer forçado, pois isso é um cenário comum de todos os jogos online.

O que achei do filme:

Um filme de comédia com um enredo envolvente e emocionante, que não contém piadas forçadas ou cenas apelativas. Ele realmente carrega a essência de Guy durante toda a história.

Os atores apresentaram uma boa construção de personagem em suas atuações. Cada um com seus objetivos bem traçados e que não se perderam durante a trama.

Me senti num filme da Pixar (estilo Toy Story), com um toque de Detona Ralph e O Show de Truman. Você verá várias referências de jogos populares, principalmente os famosos GTA e Free Fire.

Se com The Sims já achamos que somos todos Sims, ao assintir Free Guy você vai pensar duas vezes se você realmente não é um Sims! Bom, espero não chegarmos num GTA.

O filme estreia na próxima quinta-feira (19) exclusivamente nos cinemas. Com Ryan Reynolds, Jodie Comer, Joe Keery, Channing Tatum, Lil Rel Howery, Taika Waititi entre outros.

Um beijo e que a Força esteja com vocês!

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page