top of page

Crítica – O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio


Em tempos onde os filmes de Super-heróis estão em plena discussão se de fato são Cinema ou não, O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio chega às telonas em meio a toda essa “confusão”, pois na minha humilde opinião, ele se enquadra nesse tipo de filme. E se formos pela definição de Scorsese, que essas produções são meros parques de diversão eu posso dizer que eu me diverti muito assistindo o retorno digno da Sarah Connor.

Sim, ela está de volta, no melhor estilo “old but gold” com aquela mesma história, alguém do futuro protegendo alguém importante do exterminador mais badass, porém o John Connor da vez é a Dani Ramos vivida pela atriz Natalia Reyes, a protetora é a Grace (Mackenzie Davis), uma humana aprimorada, algo novo na mitologia da série e o exterminador do mal é o novo modelo Rev-9 vivido por Gabriel Luna, esse modelo inclusive parece um T-1000 aprimorado.


O plot do filme não tem nada de novo, é a mesma história e isso pode ser bom ou ruim para o cinéfilo, se você assim como eu gosta da franquia e é muito nostálgico vais curtir o filme, caso não você verá algo mais do mesmo e pode se frutar.

O filme tem vários pontos positivos, primeiramente as cenas de ação, são insanas, nos primeiros 30 minutos do filme você quase não respira, as cenas de luta estão muito bem feitas e o novo exterminador está muito assustador. O segundo ponto é o CGI, houve um cena de rejuvenescimento digital com três atores, um ficou muito estranho porem os outros foi muito bem feito, é cativante como essa tecnologia tem crescido no cinema e o terceiro ponto positivo no filme com certeza é a nostalgia. Sarah Connor rouba o filme, com suas falas, com a sua postura com a sua vivencia, Linda Hamilton dá um show de atuação em duas cenas e mostra o quanto ela é uma excelente atriz, ela está demais. As duas personagens também estão excelentes, a Grace é luta como uma garota e faz você se levantar da cadeira nas cenas de luta.


O Filme ainda passa, mesmo que superficialmente por temas políticos relacionados a substituição do homem pela máquina (obvio),  imigração ilegal, o fato como somos monitorados o tempo todo e o uso de arma nos Estados Unidos, achei interessante mas o filme fica com medo de aprofundar tanto.

O ponto negativo do filme é não trazer algo novo, vim com a mesma fórmula que fez sucesso nos primeiro e segundo filme, pois esse é uma ligação direta com o II e esqueça qualquer outra coisa feita além desses três. Outro ponto negativo são algumas piadas, o T-800 virou alívio cômico, algumas funcionam e outras não. Se você viu o trailer você sabe que o Schwarzenegger está nesse filme e é justamente que quando ele parece o filme que vinha num ritmo alucinante dá uma esfriada, tirando isso o filme vale o ingresso se você se enquadra nos quesitos citados mais acima ou se é aquele que curti um bom filme de ação, Tim Miller está de parabéns, aliás você deve conhecê-lo pela franquia Deadpool!


Pra fechar a conta, Destino Sombrio é um bom filme de ação, com um roteiro bem redondo e cheio de nostalgia, sendo assim sirvo 7 Pães de Queijo para esse filme que me fez relembrar bons momentos da franquia!

0 visualização0 comentário

Comentarios


bottom of page