top of page

Crítica I Super Mario Bros.: O Filme

Desde que surgiu no arcade Donkey Kong em 1981, o Jumpman depois batizado de Mario só foi ganhando a cada capitulo da sua história um espaço maior em nossos corações gamers e da cultura pop em geral, algo que agora alcançará ainda mais corações com essa animação agora produzida pela Nintendo e Illumination com todos os elementos necessários pra isso e o mais importante feita com o coração para fãs.

A partir do momento que Shigeru Miyamoto, o “PAI” do Mario, Donkey Kong, Zelda entrou outros grandes sucessos da Nintendo foi apresentado como produtor e parte importante da criação dessa nova aventura cinematografica do Mario (tivemos uma outra em live action em 1993 mas podemos pular essa parte kkk) já sabiamos que agora essa história teria um rumo melhor, mesmo muitos colocando o pé atras pelos caminhos que a Illumination normalmente toma em seus filmes (me culpo tambem por isso), mas podem se tranquilizar meus amigos, o que vemos aqui é um caminho nostálgico e familiar que vai tocar muita gente, seja ou não fã do nosso bigodudo e de cada personagem ali presente.

A história segue um caminho mais plausível, como visto nos trailers, onde os nossos queridos irmãos Mario e Luigi, vão parar no reino do cogumelo e se dividem fazendo com que o Luigi vá parar na parte sombria (muito bem retratado inclusive com todos os seus jeitinhos, até mesmo o fator medo que sempre acompanha o personagem) e o Mario na parte bela proxima ao castelo da Peach ( que além de encantadora, se mostra como em muitos do jogos que não é apenas uma donzela em perigo e sim uma heroína assim como nossos irmãos Mario) dito isso, vemos uma jornada para salvar o Luigi além da necessidade de salvar o Reino do Cogumelo do ataque iminente do Bowser (Inacreditável como conseguiram retratá-lo tão bem, inclusive sendo um dos maiores destaques do filme).

No caminho encontramos vários personagens importantissimos em nossas várias jogatinas como o Toad (corajoso como o Capitão Toad e principal alivio cômico do filme), os soldados do Bowser, sejam Koopas, Goombas, Parakoopas entre outros e parte da turma do Donkey Kong (que além de um personagem essencial e carismático, sinto o cheiro de filme solo por aqui mais que claro) algumas participações desses dois universos, Mario e DK também estão presentes pra darem aquele quentinho no peito.

Agora eu separo um paragrafo pra falar de um dos gigantescos dos MUITOS acertos do filme, a Trilha Sonora (&#%¨#$%@¨&#) palavras leves não ditam o que Brian Tyler fez nesse filme com o apoio do mestre Koji Kondo, é de deixar os olhos em vários momentos marejados e aquele sorriso no rosto difícil de tirar, mais uma das várias cartas de amor aos fãs (frase que vão ler muito por aí sobre esse filme), tem tambem aqueles momentos música pop comuns da Illumination mas que só acrescentam ao filme (felizmente).

Com uma história repleta de easter eggs, movimentos, trejeitos, sons (cogumelo, flor de fogo, casco, karts, pulo, etc), o filme tem cada pedacinho de cada Mario que tivemos o prazer de jogar incluso nele, é muito satisfatório ver tudo ali na nossa frente.

Com toda a pinta de que agora teremos um quem sabe UCN (Universo Compartilhado Nintendo) e espero muito que aconteça ( Vem Zeldinha, vem DK, vem Metroid) Super Mario Bros o Filme é tudo que poderia ser passado pra tela da melhor maneira possível (desculpa por duvidar de você Illumination até lançarem o primeiro trailer) e posso dizer que verei mais inúmeras vezes, espero que algumas ainda no cinema porque esse merece.

10/10




Data de lançamento: 6 de abril de 2023 (Brasil)




Diretores: Aaron Horvath, Michael Jelenic




Distribuidor: Universal Studios




Produção: Shigeru Miyamoto, Chris Meledandri




Música composta por: Brian Tyler, Koji Kondo




Companhia(s) produtora(s): Universal Pictures; Nintendo; Illumination Entertainment

0 visualização0 comentário

Commentaires


bottom of page