top of page

Backrooms: cuidado ou você pode cair numa delas!

Imagine que você está andando tranquilamente pela rua, em sua vida tranquila e pacata quando de repente tropeça em algum buraco e acaba caindo em um local gigantesco, com paredes amarelas com desenhos em arabescos, um carpete marrom e úmido, luzes fluorescentes e ruidosas pelo teto e um ambiente totalmente retangular e claustrofóbico.

Você se levanta e olha ao redor.

Não entende como, literalmente ‘caiu’ ali, só sente o cheiro da umidade e escuta alguns barulhos ao longe, sem conseguir distingui-los. Você decide caminhar e segue adiante. Há salas e mais salas abertas e retangulares, que levam a lugares iguais, semelhantes demais ao que estivera quando foi parar ali. Você continua andando, entrando nas salas abertas, olhando as linhas retas e tentando acompanhar as luzes. Você sente que passaram-se horas ou minutos e quando dobra uma esquina percebe que voltou ao mesmo lugar do início. Então você escuta mais ruídos e tenta acompanhá-los. caminha e caminha olhando ao redor… Há placas indicando a saída em vários locais, mas todos levam ao início das salas, ou a um lugar completamente igual ao de onde chegou…

Se isso acontecer a você, parabéns! Você entrou no primeiro nível das Backrooms e, possivelmente, jamais sairá de lá.


As Backrooms surgiram através de um fórum de discussão na internet, na categoria “Cursed Images” (imagens amaldiçoadas). Uma postagem anônima lançou a seguinte imagem:

Algum tempo depois a mesma imagem foi repostada e apenas um comentário anônimo foi adicionado a ela:

“Se você não for cuidadoso e ‘noclipar’ fora da realidade nos lugares errados, você chegará nas Backrooms, um lugar que é nada mais do que o cheiro de tapete antigo e úmido, a insanidade de tons de amarelo, o som de fundo de luzes fluorescentes com um zumbido infernal e aproximadamente seis milhões de milhas quadradas de salas vazias aleatoriamente fragmentadas para ficar preso dentro.”

Que Deus te salve se você ouvir alguma coisa por perto, porque tenha certeza que ela também te ouviu.”

Depois disso diversos conteúdos, imagens e vídeos foram divulgados e as Backrooms se tornaram um pequeno fenômeno a parte, com inúmeras teorias e mistérios envolvendo elas.

Dissecando o perigo das “Salas de fundo”

De acordo com as teorias, as Backrooms são um conjunto de ambientes estranhamente familiares que fazem parte de uma realidade alternativa à nossa: elas são formadas por níveis, e cada um deles apresenta um aspecto específico, misterioso e muitas vezes ameaçador.

Nível 3 das Backrooms: Estação Elétrica

O nível descrito no início desse post, por exemplo, é denominado Nível 0 ou Nível Lobby: ele é a primeira base de níveis e se caracteriza exatamente por um conjunto de salas retangulares amarelas, com luzes fluorescentes e o carpete marrom. É impossível delimitar o tamanho do local, mas pode-se afirmar que é gigante e praticamente infinito. De tempos em tempos é possível avistar placas indicativas de caminho que dão a ilusão de mostrar a saída, contudo, levam apenas a outras salas iguais às primeiras e/ou outros labirintos indefinidos e sem saída.


Os Níveis das Backrooms

Os níveis das Backrooms apresentam ameaças e cada um tem seu teor de periculosidade: o nível 0, por exemplo, é tido como Dificuldade de Sobrevivência Classe 1, por ser seguro, protegido e “quase” desprovido de entidades. O quase é um termo bem importante de salientar, já que em todos os níveis é possível encontrar uma ou outra criatura, que pode ser ameaçadora ou não. 

Há outros níveis, porém, em que o grau ameaçador aumenta e você pode se deparar com entidades mortais a qualquer momento. Um deles, o nível 1, chamado de “Zona Habitável” possui dificuldade Classe 2 por ser inseguro e ter uma certa quantidade de criaturas. Este nível é semelhante a um extenso armazém ou estacionamento, com paredes de concreto e uma estranha neblina que ora ou outra se condensa ou dissipa.


Simulação do Nível 1, de acordo com o site https://backrooms.fandom.com/wiki/Level_1

De acordo com algumas teorias das Backrooms há mais de 999 níveis dentro da realidade e, caso você tenha a infelicidade de cair em uma, é possível que apareça aleatoriamente em qualquer um dos níveis, não havendo uma ordem certa para seguir: você pode aparecer no nível 30 ou no 3, por exemplo.

Sobrevivendo na realidade alternativa das Backrooms

Uma vez dentro das Backrooms é importante manter a calma e se concentrar. O primeiro efeito é o desespero, e ele pode causar ansiedade e posteriormente a loucura. Os manuais de sobrevivência indicam tentar se orientar, respirar profundamente e aceitar que você provavelmente não voltará mais para casa, ou seja, deverá sobreviver ali, com os recursos disponíveis. Há níveis em que existem suprimentos alimentares e até armamento, todos dispostos entre o caminho. 

Com a extensão infinita das Backrooms as teorias indicam que há milhares de pessoas vivendo nos locais, perdidas entre si ou em pequenos grupos. Muitas destas teorias dizem que as várias pessoas desaparecidas em nossa realidade, estavam na verdade vivendo nas backrooms ou morreram lá. 


screenshot do curta Missing Persons, de Kane Pixels

O vídeo mais assustador que você vai ver!

Enquanto diversas teorias eram alimentadas, um garoto de 16 anos lançou em seu canal no Youtube o video que seria a grande porta de entrada para o terror das Backrooms: o curta metragem de nove minutos intitulado “Backrooms (The Found Footage)“. No curta, Kane está fazendo um filme com os amigos quando de repente “cai” na Backroom nível 0. A gravação em primeira pessoa mostra o garoto tentando descobrir aonde está enquanto tenta sobreviver de possíveis ameaças. Em uma produção totalmente digital, que destrincha os corredores amarelados e as salas retangulares cheia de ruídos e uma atmosfera claustrofóbica,  Kane nos mostra uma realidade estranhamente assustadora, bizarra e hipnotizante (com direito a surpresas horripilantes durante a trama!). O curta que foi lançado há pouco tempo, já conta com mais de 18 milhões de visualizações. 

Se tiver coragem, é só conferir abaixo:



O Canal de Kane, que já conta com mais de 891 mil inscritos, tem outras produções sobre o tema e cada uma delas apresenta uma particularidade sobre o universo das Backrooms. Para conferir clicar aqui

O que está por trás das Backrooms

Dentro das teorias desenvolvidas, duas delas criam explicações diferentes para o fenômeno. A primeira, teoriza que muitos desses conceitos das Backrooms tenham sido originados de experiências que pacientes tiveram enquanto estavam em coma. Enquanto inconscientes, passeavam por caminhos que pareciam iguais aos de ambientes cotidianos, mas que normalmente estavam abandonados ou com ameaças furtivas. Enquanto o paciente estava naquele estado, experimentava o ambiente e quando voltava tinha pequenos reflexos de memoria. A outra teoria, mais subjetiva, cria uma metáfora entre a nossa vida cotidiana e a experiência de se sentir enclausurado num local infinito, que não leva a lugar algum e parece repetir o caminho: as rotinas de trabalho, as atividades repetitivas da vida adulta seriam todas formas conscientes de backrooms, que nos aprisionam e nos escravizam, e, por mais que andamos, buscando uma saída, acabamos sempre no mesmo lugar.

E você? Achou o tema interessante? Comenta aqui se quer saber mais sobre o assunto, pois ele é vasto e cabem mais postagens!

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page